Pular para o conteúdo principal

Aquela noite ♥

Se arrumou pensando nele. A começar pela trilha sonora: Marvin Gaye – Lets get on, que já era pra entrar no clima. Vestido, decote, salto alto, brinco grande, colar, anel, batom vermelho, olhos bem desenhados. O perfume que ele gostou no outro dia. Ele ia buscá-la, ela declinou gentilmente a oferta. Queria fazer uma surpresa, uma entrada triunfal no restaurante. E sabia que ele seria pontual. Sempre era. Na hora marcada o táxi chegou. Com pontuais e esperados 10 minutos de atraso ela chegou ao restaurante. Deslumbrante. Ela sabia pela cara do maitre que a encaminhou até a mesa. Pelo olhar, pela taça que Ele quase derrubou ao vê-la chegar. O beijo não foi como ele gostaria de ter dado, ela sabia. Sentiu o desejo de quero mais dele. Mas esse era o planejado. Foi difícil escolher algo no cardápio. Não porque o restaurante fosse ruim ou eles indecisos. Apenas porque o que queriam mesmo era um ao outro, agora. Mas o combinado era o jantar. Que veio, não que alguém tenha notado o gosto de algo.. Couvert, entrada, carne e até sobremesa desperdiçada. Toda a atenção um no outro. Olhos se procurando e devorando. Mãos se buscando e um ao outro sob a mesa. Mas muito sutilmente de modo a não serem expulsos. A conta foi paga o mais rápido que a etiqueta permitiu. No carro se jogaram um nos braços do outro. Se buscando sofregamente. Aquela noite estava só começando. E era somente a primeira de várias. Beijos, Camila Ribeiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

te amo.

"Mas não diz eu-te-amo assim, cuspido ou sem fundamento ou por não saber o que falar. Diz que teve saudades quando sentiu meu perfume em alguma moça por aí, que lembrou de mim ao ouvir aquela canção da Mallu sobre o batom vermelho e que a moça do filme "O lado bom da vida" é doida como eu. Diz que te faço feliz, também, e aí sim acreditarei em eu-te-amo ou coisa assim."

Vamos marcar um dia?

Pra ler ouvindo. Banda do mar - Vamo embora. Se você não gostar, eu saio. Se gostar, eu fico. Se eu ficar, eu moro. Se eu morar, unidos. Se eu não gostar, eu saio. Se eu sair, te levo. Se eu te levar, pra sempre. Se pra sempre, sorrio. Vamos marcar um dia pra eu te contar como eu vejo o mundo? Sou especialista em achar as coisas, pois de base tenho algumas experiências e alguns filmes. Mas vai que você pega gosto pelo jeito que eu vejo? E de carona pega gosto pelo jeito que te pego. Vai que. Também quero saber como você vê as coisas. Estou empolgado em imprimir suas palavras pra levar no bolso e me lembrar que o meu não é o único jeito de ver a vida. Se der certo, eu vibro. Se não der certo, eu guardo. Se eu guardar, pra sempre. Se pra sempre, unimos. Vamos marcar um dia pra me contar de você? Quando souber, me fala o dia, aí eu já reservo minutos da minha vida pra dar atenção à sua. Quem sabe se fará um ensaio do que lá na frente vamos rir e suspirar sobre a presença um do outro…

do começo não dá pra enxergar o fim.

Vai durar o necessário. Talvez não tanto quanto eu gostaria. Talvez não tanto quanto você gostaria. Eu nem sei quem é você ainda. Você nem faz ideia de que eu sou. Vai durar algum tempo, sei lá quanto. Algum tempo. E que diferença faz saber agora? O medo de viver o fim atrapalha a gente de viver o começo. O que você vai fazer se eu acordar amanhã achando graça em outro sorriso? O que eu vou fazer se você acordar amanhã não querendo mais me responder no chat? São perguntas que a gente não precisa da resposta agora. Enquanto eu tiver disposta a continuar tendo você na minha vida, vou te ter. Eu não quero saber quando a gente vai terminar e como vai ser! Eu não quero ter que pensar na possibilidade da sua companhia deixar meus dias! Eu quero um espaço na sua vida pra eu encostar a minha. Nossa história não envolve nada além um do outro. E as datas de validade só servem para acelerar o consumo. Eu quero viver devagar. MAS CARALHO E DAÍ QUE ISSO TUDO PODE TERMINAR NO PRÓXIMO FIM DE SEMANA?…