Pular para o conteúdo principal

Desligue o automatico!

Você já teve a sensação de que as coisas estão acontecendo mais devagar do que você imaginava?

Mesmo em um mundo tão competitivo, é fácil encontramos situações de estagnação. É comum e é uma tendência/instinto animal de se acomodar em situações favoráveis.
Mas, essa reação natural pode lhe custar muito caro!
Quero falar hoje sobre os momentos em que profissionais deixam de ser atores do seu futuro e viram expectadores. Momentos estes, que podem resultar na sua infelicidade como profissional e consequentemente afetando toda sua carreira.
A vida é composta de milhões de variáveis. São tantas, que se você tivesse que viver sua vida novamente mesmo querendo tomar as mesmas decisões, poderia ocorrer tudo diferente.
O ponto é: a vida muda, as pessoas mudam e com isso sua percepção deve estar aguçada para captar o que está acontecendo e então reagir.
Planeje sua tragetória e a cada passo reavalie tudo. Seja inquieto, questione, tenha vontade de mudar e não se acomode diante das situações.
Dizem por aí que a única pessoa que não erra é quem não faz. Mentira. Se você não faz, você errou por deixar de tomar uma atitude. (Ok, essa frase também é clichê, mas é verdade)
Se você está sentindo que as coisas estão acontecendo devagar, tente entender o porquê disso estar acontecendo e seja o primeiro a tentar mudar.
Se você já decidiu que é a hora para que as mudanças ocorram. PLANEJE!
O primeiro passo é esquecer fórmulas. Parece assustador trilhar por uma direção onde outros não passaram. Mas, somente assim você vai descobrir coisas novas e chegar onde ninguém chegou ainda.
Referência e experiência podem servir com uma bússola, mas quem deve percorrer o caminho é você!
Tudo isso leva a apenas uma conclusão: DESLIGUE O AUTOMÁTICO!
Não deixe as coisas acontecerem por acontecer, a sua carreira só depende de você.
Se você ainda busca entrar no mercado, vou contar um caso inspirador. Que Retwitaram para mim hoje.

Uma estudante de publicidade de São Paulo que atua em criação montou sua pasta e bateu em algumas agências. Apesar de boa, acabou não conseguindo a oportunidade que queria.
O mercado tem muita gente boa e que faz exatamente o que ela fez todos os dias.
Mas aí é que vem a parte interessante. Para mudar essa história, ela praticamente criou um anúncio diferenciado para ela.
A estudante enviou uma caixa de sapato para uma grande agência de SP com a sua pasta, com apenas um pé do sapato e uma carta que dizia o seguinte:
"Um pé já está aí, agora só falta o outro".

Preciso dizer que deu certo?
Isso é inovar, sair do comum e não ficar passivo diante do rumo dos acontecimento . E, nesse caso, da forma que funciona o mercado.

Agora, se você gostou desse caso e está pensando em fazer igual, esse post é para você! rsrsrs.

To indo pra Faculdade,

Beijos,

Camila Ribeiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

te amo.

"Mas não diz eu-te-amo assim, cuspido ou sem fundamento ou por não saber o que falar. Diz que teve saudades quando sentiu meu perfume em alguma moça por aí, que lembrou de mim ao ouvir aquela canção da Mallu sobre o batom vermelho e que a moça do filme "O lado bom da vida" é doida como eu. Diz que te faço feliz, também, e aí sim acreditarei em eu-te-amo ou coisa assim."

Vamos marcar um dia?

Pra ler ouvindo. Banda do mar - Vamo embora. Se você não gostar, eu saio. Se gostar, eu fico. Se eu ficar, eu moro. Se eu morar, unidos. Se eu não gostar, eu saio. Se eu sair, te levo. Se eu te levar, pra sempre. Se pra sempre, sorrio. Vamos marcar um dia pra eu te contar como eu vejo o mundo? Sou especialista em achar as coisas, pois de base tenho algumas experiências e alguns filmes. Mas vai que você pega gosto pelo jeito que eu vejo? E de carona pega gosto pelo jeito que te pego. Vai que. Também quero saber como você vê as coisas. Estou empolgado em imprimir suas palavras pra levar no bolso e me lembrar que o meu não é o único jeito de ver a vida. Se der certo, eu vibro. Se não der certo, eu guardo. Se eu guardar, pra sempre. Se pra sempre, unimos. Vamos marcar um dia pra me contar de você? Quando souber, me fala o dia, aí eu já reservo minutos da minha vida pra dar atenção à sua. Quem sabe se fará um ensaio do que lá na frente vamos rir e suspirar sobre a presença um do outro…

do começo não dá pra enxergar o fim.

Vai durar o necessário. Talvez não tanto quanto eu gostaria. Talvez não tanto quanto você gostaria. Eu nem sei quem é você ainda. Você nem faz ideia de que eu sou. Vai durar algum tempo, sei lá quanto. Algum tempo. E que diferença faz saber agora? O medo de viver o fim atrapalha a gente de viver o começo. O que você vai fazer se eu acordar amanhã achando graça em outro sorriso? O que eu vou fazer se você acordar amanhã não querendo mais me responder no chat? São perguntas que a gente não precisa da resposta agora. Enquanto eu tiver disposta a continuar tendo você na minha vida, vou te ter. Eu não quero saber quando a gente vai terminar e como vai ser! Eu não quero ter que pensar na possibilidade da sua companhia deixar meus dias! Eu quero um espaço na sua vida pra eu encostar a minha. Nossa história não envolve nada além um do outro. E as datas de validade só servem para acelerar o consumo. Eu quero viver devagar. MAS CARALHO E DAÍ QUE ISSO TUDO PODE TERMINAR NO PRÓXIMO FIM DE SEMANA?…