Pular para o conteúdo principal

Qualquer forma de amor vale a pena?


Cada um tem o amor que merece e a solidão que necessita. A felicidade no amor depende de vários fatores. Algumas pessoas desejam se casar e conviver todos os dias com a pessoa amada. Querem formar uma família e ter filhos. Outras preferem uma relação mais informal como morar junto.

Outros relacionamentos são diferentes, mas nem por isso, com menos amor. Preferem encontros ocasionais e se sentem felizes assim.

Alguns amores convivem escondidos dentro de um quarto de motel. Voltam para casa de energia renovada para enfrentar o batente do dia a dia.

Outros relacionamentos são apenas virtuais. Amor que convive apenas com e-mails, cartões e chats. Nesse amor diferente o que conta é o bate-papo, os sonhos e a imaginação. E o que a gente percebe é que algumas pessoas se sentem felizes apenas vivendo um amor virtual. Até quando? Não se sabe.

Outros casos de amor sobrevivem à custa de telefonemas longos. Basta ouvir a voz do outro e saber como ele está. Contar com esse amor diferente quando se está triste, nervoso ou desiludido. Não se manifesta o desejo de viver esse amor em plenitude, olho no olho. Vivem mergulhados no sonho de amor a distancia. Vivem a magia desse amor diferente feito de risos, conversas e reflexões. Alguns casais vivem seu amor dentro de um salão de baile no ritmo do bolero e do samba. Não precisam se encontrar todos os dias e nem dividir as mesmas contas, os mesmos problemas. Querem apenas o lado light do amor no cenário da música.

Se você vive um amor diferente das regras pré-estabelecidas pela sociedade faça um profundo exame de consciência. Sente-se feliz amando dessa forma? Ou vive à espera de que o outro se declare, lhe peça em casamento ou marque um encontro? A ansiedade vive nesse relacionamento? Se for assim esse relacionamento diferente não serve para você. Procure a forma de amar em que se sinta correspondido em seus anseios.

A frase mais sábia nos casos de amor é: "Um relacionamento tem que estar bom para ambas as partes". É assim que se mede o termômetro do afeto. Avalie como estão suas emoções. O amor em plenitude traz felicidade e emoções positivas. A palavra sacrifício, renúncia não deve existir num relacionamento amoroso seja ele qual for.

Para viver o amor adequado à sua estrutura emocional precisa saber o que você quer da sua vida. E isso só é possível quando estamos equilibrados no pensar, no sentir e no agir. Tem que haver um certo equilíbrio das suas emoções.

Precisa haver autoestima em alta. Amor próprio. Dignidade. Liberdade. E coragem para viver um amor diferente. Correr riscos também faz parte do amor, mas você está preparado para as conseqüências?

Viva seu amor de forma intensa e seja feliz à sua maneira desde que não prejudique ou sufoque a maneira de amar da pessoa amada.

Beijos,

Camila Ribeiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vamos marcar um dia?

Pra ler ouvindo. Banda do mar - Vamo embora. Se você não gostar, eu saio. Se gostar, eu fico. Se eu ficar, eu moro. Se eu morar, unidos. Se eu não gostar, eu saio. Se eu sair, te levo. Se eu te levar, pra sempre. Se pra sempre, sorrio. Vamos marcar um dia pra eu te contar como eu vejo o mundo? Sou especialista em achar as coisas, pois de base tenho algumas experiências e alguns filmes. Mas vai que você pega gosto pelo jeito que eu vejo? E de carona pega gosto pelo jeito que te pego. Vai que. Também quero saber como você vê as coisas. Estou empolgado em imprimir suas palavras pra levar no bolso e me lembrar que o meu não é o único jeito de ver a vida. Se der certo, eu vibro. Se não der certo, eu guardo. Se eu guardar, pra sempre. Se pra sempre, unimos. Vamos marcar um dia pra me contar de você? Quando souber, me fala o dia, aí eu já reservo minutos da minha vida pra dar atenção à sua. Quem sabe se fará um ensaio do que lá na frente vamos rir e suspirar sobre a presença um do outro…

te amo.

"Mas não diz eu-te-amo assim, cuspido ou sem fundamento ou por não saber o que falar. Diz que teve saudades quando sentiu meu perfume em alguma moça por aí, que lembrou de mim ao ouvir aquela canção da Mallu sobre o batom vermelho e que a moça do filme "O lado bom da vida" é doida como eu. Diz que te faço feliz, também, e aí sim acreditarei em eu-te-amo ou coisa assim."

do começo não dá pra enxergar o fim.

Vai durar o necessário. Talvez não tanto quanto eu gostaria. Talvez não tanto quanto você gostaria. Eu nem sei quem é você ainda. Você nem faz ideia de que eu sou. Vai durar algum tempo, sei lá quanto. Algum tempo. E que diferença faz saber agora? O medo de viver o fim atrapalha a gente de viver o começo. O que você vai fazer se eu acordar amanhã achando graça em outro sorriso? O que eu vou fazer se você acordar amanhã não querendo mais me responder no chat? São perguntas que a gente não precisa da resposta agora. Enquanto eu tiver disposta a continuar tendo você na minha vida, vou te ter. Eu não quero saber quando a gente vai terminar e como vai ser! Eu não quero ter que pensar na possibilidade da sua companhia deixar meus dias! Eu quero um espaço na sua vida pra eu encostar a minha. Nossa história não envolve nada além um do outro. E as datas de validade só servem para acelerar o consumo. Eu quero viver devagar. MAS CARALHO E DAÍ QUE ISSO TUDO PODE TERMINAR NO PRÓXIMO FIM DE SEMANA?…